Nesse sábado, dia 29 de setembro, o Blog Cariocando foi às ruas do centro do Rio de Janeiro, para o ato Mulheres Contra Bolsonaro, em apoio ao movimento #EleNão. Vamos contar por aqui o que vimos nesse ato tão bonito e tão diverso.

Primeiramente, reforçamos através desse post a nossa posição contrária a qualquer um que dissemine, através de palavras ou ações, qualquer tipo de preconceito, seja racismo, machismo, homofobia, xenofobia ou qualquer outra violência pautada na incapacidade de aceitar o diferente. Fomos duramente atacados em nosso instagram por postarmos a favor do ato do dia 29 de setembro.

Somos o Blog Cariocando e acreditamos que o Rio de Janeiro é um lugar muito rico em cultura e diversidade, mas, infelizmente, ainda muito pobre na empatia e no amor ao próximo. Acreditamos em um Rio de Janeiro e em um Brasil diversos e seguros para todos, independente da cor, etnia, gênero ou orientação sexual. Dito isso, podemos seguir com esse post.

Foi incrível participar do ato Mulheres Contra Bolsonaro e ver tantas pessoas diferentes unidas em prol de uma causa que pode se resumir em uma palavra: tolerância. Quem estava no ato de sábado estava lá porque, assim como nós, acredita em um país mais tolerante, acredita que a base para se construir um Estado justo é o respeito às diferenças e à diversidade.

 

No ato das Mulheres Contra Bolsonaro, vimos de tudo um pouco: crianças, idosos, indígenas, negros, brancos, mulheres e homens. Todos ecoando o mesmo grito de guerra: ele não!

 

Quando cheguei lá, me perguntei: como ainda podem duvidar da legitimidade de um movimento que conseguiu unir uma variedade tão grande de seres humanos? Nossas fotos refletem um pouco dessa diversidade, mas acredite, pessoalmente foi ainda mais impactante.

 

As palavras de ordem e as demandas eram claras: exigimos respeito. Não é um pedido. É uma exigência. Nesse ato não houve discursos violentos, não houve um grito que ofendesse ou ferisse a dignidade de nenhum ser humano, ao contrário dos atos pró-Bolsonaro, que renderam músicas e declarações misóginas, nada além do que já esperávamos dessa gente.

 

Nosso ato foi lindo, foi pacífico, foi diverso, foi honesto, foi emocionante. Quem estava lá sabe disso, sabe a energia que cada pessoa ali emanava.

 

Vimos pessoas incríveis lutando por um país melhor de verdade, lutando contra ideias pautadas na violência e promovendo o respeito. É nisso que acreditamos e é nisso que apostamos.

Fotos: Janaína Schramm