Ano passado eu escrevi um post especialmente para o Carnaval falando sobre consentimento, álcool e os limites que definem uma relação consentida de uma não consentida. Esse ano eu gostaria de ampliar essa discussão e incluir também a questão do assédio sexual, que infelizmente ainda faz muitas vítimas diariamente.

Depois de tantas denúncias contra assédio e predadorismo sexual emergirem no ano de 2017, muitos homens estão ~preocupados~ que esteja acontecendo uma caça às bruxas. Esses caras se dizem preocupados, porque aparentemente não sabem diferenciar uma investida legítima de um assédio. Tendo em vista a confusão que isso causa em algumas pessoas, resolvi escrever esse post pra deixar tudo bem claro pra todo mundo entender.

Vou começar reiterando uma coisa importantíssima já dita antes: depois do não, é tudo assédio.

E o que isso quer dizer?

Quer dizer que a partir do momento no qual a mulher alvo da investida/paquerada não demonstra qualquer interesse ou recíproca à essa investida, quer dizer que é hora de parar. Não é charme, não é “cu doce”, não é frescura e nem fingimento. Se a garota te disse não, amigo, então é NÃO. Não vai ser sua insistência que vai tornar o não ou silêncio constrangido dela em uma afirmativa.

Vamos ressaltar aqui a importância dessa afirmativa, de um consentimento verbal e explícito, sem margem para interpretações, porque infelizmente nós vivemos em um mundo no qual uma mulher que consente relações sexuais é vista com maus olhos e taxada de vadia enquanto homens que nem sequer pensam em consentimento e, inclusive, não respeitam limites, são vistos como caras decentes.

Existem dois pontos principais quando vamos falar de assédio sexual, elas são:

1 – Sexo não é um direito. Você quer pegar/transar com alguém? Beleza, querer isso é um direito seu. O que não é um direito seu é o fato consumado, seja o ato sexual em si, seja apenas um beijo na boca. A partir do momento que você entende isso, você começa a respeitar a vontade da outra pessoa envolvida. Se essa pessoa não está interessada em cumprir com as suas expectativas sexuais, isso é um direito dela.

2 – Consentimento não vem a partir da insistência. Querido, se você tentou uma investida e a mina não ficou interessada, supera. Ninguém gosta de gente chata e insistente, se você faz isso, você é inconveniente, invasivo e, sim, um ASSEDIADOR. Quando alguém não quiser engajar em qualquer atividade de cunho sexual com você, respeite isso. O que vem com a insistência é exatamente o assédio, é o desrespeito à vontade de outra pessoa.

Esses dois pontos são questões chaves quando queremos falar sobre assédio. O assédio sexual acontece porque 1) homens acreditam que sexo é um direito que lhes deve ser assegurado pelas mulheres e 2) porque eles não conseguem enxergar a própria insistência como uma invasão, uma violação do direito do outro. A insistência é tratada como uma forma de conquista, quando, na verdade, é uma forma de assédio.

Se você ainda está se perguntando qual tipo de comportamento é aceitável quando você tá tentando flertar com alguém, aqui vão algumas dicas:

1 – Presta atenção na linguagem corporal e expressões faciais quando você tentar flertar com alguém. Uma revirada de olhos, um afastamento físico, uma negativa com a cabeça, tudo isso serve como um alerta. Se de primeira você não conseguiu, então é isso, segue em frente, tem outras bocas.

2 – O que você chama de “charminho” na verdade é um belo dum “se toca, otário”. Se a mina não tá te dando papo ou não quer que você a toque, então apenas pare de tentar, ela claramente não tá afim.

3 – Se alguém quiser te beijar, você vai saber, não precisa insistir. Insistir é chato, é invasivo, é constrangedor. Muitas amigas minhas já se sentiram na obrigação de ficar ou transar com alguém só pra conseguir se livrar do cara, você não quer ser esse babaca.

4 – Não seja o otário que não sabe receber um não. Levou um toco? Acontece com todo mundo, não fica tentando pagar de machão xingando ou agredindo a mina que te rejeitou, isso é coisa de predador sexual, estuprador e assediador.

Ninguém é obrigado a cumprir com as expectativas de ninguém. Se você é um daqueles que fala “ah, só é assédio sexual se o cara for feio”, então FLASH NEWS, meu amigo: é assédio quando a mina NÃO te quer, se ela não te quer porque você é feio, paciência, é direito dela. Assim como ela pode não te querer por ser um babaquinha invasivo que não sabe respeitar os limites de ninguém. Mulher nenhuma precisa de motivo pra rejeitar alguém, isso cabe a ela e não a você.

Então você, amigo que não quer ser um assediador, presta atenção: chegou na mina e ela não quis? Segue em frente, deixa ela em paz. Chegou na mina, ela quis, mas se incomodou com uma “mão boba”? Então respeita o corpo dela, caralho! E se, depois disso tudo que você leu aqui, você ainda estiver com medo de ser acusado de assediar alguém, então acho melhor você ficar em casa nesse carnaval.