As apaixonantes cores das capulanas africanas estampam o trabalho da estilista, modelista e costureira Claudine, refugiada congolesa e carioca de coração há 3 anos.

São saias, camisas e turbantes fabricados por ela mesma com esse tecido – que no Congo é conhecido como ankara. -, que hipnotizam praticamente todos que passam em frente à sua barraquinha na Junta Local + Chega Junto.

Além da saudade de seus 3 filhos, que ficaram na África, Claudine só sente falta do clima mais ameno do seu país. “O Rio de Janeiro é muito quente! Mas todos são muito hospitaleiros!”

Ficou curioso pra conhecer seu trabalho? Só entrar na página Couture Heno-tshio do face.

FOTOGRAFIA: LUCAS SANTOS