Armários abarrotados de roupas que muitas vezes não são usadas com a frequência que deveriam: eis a realidade de muita gente. Na hora de sair, uma situação comum: reclamarmos da falta de roupa, apesar de o armário estar cheio. Parece que naquele exato momento todas as peças somem, o que nos leva a pensar: “ai, não tenho roupa para sair”. Quem nunca passou por essa situação que atire a primeira pedra.

Que quantidade não é qualidade isso a gente está cansado de saber, mas por onde começar a “limpa” no guarda-roupa? Se todos seguissem a lógica da compra só por necessidade, só deveríamos comprar as peças que precisássemos, minimizando, assim, o caos do armário abarrotado. Porém, o que vemos hoje em dia é um cenário muito diferente: o consumo é muito mais ditado pelas tendências do que de fato pela necessidade. O resultado disso são as compras desenfreadas, que muitas vezes tem as fast fashion como principal fornecedora. Dessa maneira, nossos armários ficam cheios de roupas que duram poucas estações, em sua maioria, porque são compradas em lojas cuja qualidade deixa a desejar.

Esse caminho não poderia gerar um resultado diferente do que roupas obsoletas e inutilizadas dentro dos armários. Pensando nisso, reuni um manual ou passo a passo do desapego para você que quer se ver livre de peças inúteis, mas que podem fazer a alegria de muita gente, afinal, fazer a energia das roupas circular por aí é tudo de bom, né?

  • Passo 1. Triagem

Feche a porta do quarto, coloque a música favorita e jogue tuuuudo para fora do armário. Feito isso, veja todas as roupas ao seu redor e vá separando as suas peças favoritas da vida, aquelas QUE VOCÊ USA HORRORES e nunca doaria.

  • Passo 2. Setorização

O próximo passo é setorizar tudo. Separe os sapatos, casacos, calças, blusas, shorts, saias e demais objetos que você quer ver fora do seu guarda roupa. Esse passo é importante para que você visualize tudo que você tem de maneira mais organizada e veja de forma rápida o que você quer que fique e o que vá embora.

  • Passo 3.  É preciso ter coragem

A hora da verdade. Para desapegar, responda às perguntas: quantas vezes você usou a peça nos últimos 12 meses? Ela cabe em você? Ela tem a ver com seu estilo atual? Ela terá utilidade para você daqui para frente ou é só apego emocional? Você guarda só porque foi muito caro?

Se as respostas forem negativas em sua maioria, não tenha dúvidas de que a hora do desapego já passou, então pode se desfazer sem pena. Contudo, eu sei que tem algumas peças com um valor afetivo muito grande e que podem ter marcado momentos especiais das nossas vidas. Nesse caso, cabe a cada um analisar se elas ficam ou vão embora do guarda-roupa.

“O consumo é muito mais ditado pelas tendências do que de fato pela necessidade. O resultado disso são as compras desenfreadas, que muitas vezes tem as fast fashion como principal fornecedora.”

Assim como a curadoria das peças, o fator tempo para o desapego é uma decisão individual também, que vai depender do tipo de consumo de cada um, bem como da rotina. A quantidade de roupa que as pessoas têm vão de encontro com o nível de consumo ou a utilidade que se faz dela. Pessoas que trabalham com moda, por exemplo, tendem a ter mais roupas e usá-las com mais frequência do que as demais. Eu costumo fazer a “limpa” aqui em casa de seis em seis meses, mas tenho amigas que preferem separar as roupas que não querem mais a cada ano.

 

  • Passo 4. Para onde vão?

Após o desapego, o destino da peça pode se dar de maneira bem diversa, só vai depender da necessidade de quem desapega.

Doação para instituições e projetos de caridade: Gente, o que mais tem por aí é gente precisando de roupa e que não tem condições para isso. É bacana procurar um lugar próximo à casa de vocês ou que tenham ideias parecidas com as que você acredita ser legal.

Plataformas digitais: Grupos de desapegos do Facebook, o Enjoei.com (a propósito, o blog tem um cantinho especial no site para com os desapegos da Jana e equipe) e criar perfis no Instagram exclusivos para desapego são algumas opções bem bacanas para quem está precisando de uma graninha extra e não tem tempo hábil para organizar um bazar. É só tirar as fotos com uma luz boa e uma produção mínima e pronto: voilá!

Bazares ou troca-troca: Essa é a minha opção favorita, porque, vamos combinar uma coisa, gente: comprar pela Internet é prático demais, mas não há nada como pegar a roupa\sapato e experimentar. Essa prática evita bastante problema, além nos permitir encontrar e conhecer novas pessoas, né?!

Por conta da individualidade de cada um, esse processo é mais fácil para uns do que para outros, mas lembre-se de que ocupar um espaço com coisas inúteis para você só atrapalha o seu dia a dia.

Simples, não é mesmo? Agora você esta esperando o que para começar a sua arrumação?