Vai-se o outono, surge o inverno, volta a primavera e mais certas do que as estações do ano são as inúmeras novidades que chegam toda semana na Netflix. A plataforma digital algumas vezes chateia os fãs por cancelamentos de séries ou outras que foram retiradas do catálogo, mas não dá pra discordar que dá pra achar muita coisa legal por lá. É só pesquisar.

Claro que é muita coisa pra dar conta: a cada sete dias está entrando e saindo filmes, séries, temporadas e documentários dos mais variados gêneros. Como proceder? Pensando nisso, este post tem como objetivo ajudar você,  senhor espectador assíduo do gênero mais injustiçado e popular do cinema, a encontrar verdadeiras pérolas – ou não – que estão ali no catálogo faz tempo ou acabaram de chegar.

Altamente recomendado para quem gosta do terror farofa ao de ritmo lento e cheio de metáforas:

Terror Nos Bastidores (The Final Girls, 2015)

O primeiro da lista é uma das recentes adições ao catálogo. Um terror-comédia de sátira aos slashers dos anos 80, o filme conta a história de um grupo de amigos que é transportado para um filme de terror antigo e lá devem sobreviver às regras do gênero e a um psicopata mascarado.

Embasado na metalinguagem inaugurada por Pânico e que vem continuando em filmes como O Segredo da Cabana, Terror nos Bastidores possui um charme por causa do roteiro divertido, da direção nostálgica e do elenco que está sintonizado e realmente engraçado (Malin Ackerman, Taissa Farmiga, Adam DeVine e Nina Dobrev são alguns deles). O destaque fica para o ato final: inteligente, tocante e incrivelmente emocionante.

Você é o Próximo (You’re Next, 2011)

Outro filme que também utiliza os clichês do gênero e os subverte. Uma reunião de família em uma casa de campo torna-se um jogo de sobrevivência quando todos viram alvos de sádicos psicopatas que os espreitam do lado de fora.

Podendo parecer decepcionante à primeira vista, o diferencial de Você é o Próximo é elevar a garota final a outro nível: e se além de ser a sobrevivente ela também for preparada para situações como essa? A situação muda com esta condição e torna-se divertido ver as reviravoltas e revelações ao decorrer da trama.

Invasão Zumbi (Train to Busan, 2016)

Uma das grande surpresas do subgênero de zumbis no ano passado foi o coreano Invasão Zumbi. Contando a história por uma perspectiva bem interessante – pai e filha estão no meio de uma viagem de trem quando o caos é instaurado -, o filme não facilita pros personagens e muito menos pro espectador: zumbis ágeis e rápidos deixam todas as cenas mais tensas.

Brutal e ainda assim emocionante, vale destacar que é interessante notar as evoluções de certos personagens à medida que a trama avança. Esse daqui não pode deixar mesmo de assistir.

The Invitation (2015)

Particularmente meu favorito da lista, The Invitation não é exatamente um terror, mas talvez um horror psicológico dos bons. Will (Logan Marshall-Green) vai à casa de sua ex-esposa – agora casada com outro – para um animado reencontro entre velhos amigos. Porém, uma paranoia vai tomando conta de Will ao pensar que algo ali está errado e que todos podem correr grande perigo.

Um verdadeiro achado no gênero, o filme apropria-se de muitos artifícios narrativos pra prender a atenção do espectador e intensificar a paranoia do protagonista nele próprio. O roteiro acerta em deixar tudo ambíguo até quando realmente importa, apesar dos dois primeiros atos serem um pouco arrastados – é necessário que sejam assim. Por vezes surpreendente e desconfortante, The Invitation é aquela recomendação que você pode dar sem medo até pra aquele amigo que odeia filmes de terror. Um bom suspense ninguém nega.

 

À Sombra do Medo (Under the Shadow, 2016)

Este filme jordaniano ganhou alguns prêmios mundo afora. E merecidos. Uma produção que mostra como o terror pode ser inteligente, sofisticado e altamente relevante, o filme é contado sob o aterrorizante contexto da guerra entre Iraque e Irã na década de 80. Mãe e filha vão sendo deixadas como únicas moradoras de um prédio onde um míssil caiu mas não explodiu.

Quando a boneca da filha some, os sinais levam a crer que ambas estão sendo atormentadas por um espírito maligno da mitologia árabe. Sem revelar muito do sobrenatural e mostrando pouco, À Sombra do Medo apoia-se no já existente medo da guerra para contar uma história de horror que aos poucos deixam-se misturar em sentimentos de angústia e incerteza. Não pode deixar de assistir.

O Babadook (The Babadook, 2014)

Por último mas nunca menos importante, o australiano O Babadook é outro exemplo de como o terror pode entregar um filme digno do gênero e ainda assim carregar uma trama complexa e cheia de camadas. Mãe e filho mantém uma relação extremamente conturbada que piora após a leitura de um livro “infantil” que conta a história do babadook, um tipo de bicho-papão.

Só a leitura do livro parece o suficiente para desencadear diversos acontecimentos macabros que atormentam mãe e filho. À medida que avançamos para seus minutos finais vamos nos dando conta de que trata-se de algo muito mais macabro e complexo do que aparenta. Uma obra-prima em todos os sentidos, cheia de subjetividade e com uma direção desconcertante.