Para chegar no ponto principal do post, precisamos voltar um pouquinho no passado e entender a origem do hip hop. Bom, o Hip Hop surgiu na década de 70 como um movimento cultural na cidade de Nova York -mais precisamente no sul do Bronx-. Na época, a base desse estilo concentrava-se nos disc jockeys que criavam batidas rítmicas -os famosos loops- que repetiam os drops das músicas já famosas na região. Nesse contexto, ainda não existiam os MCs, eram só os DJs mesmo e os mais famosos e mais importantes eram o Kool Herc e o Grandmaster Flash – o próprio. O estilo foi evoluindo e passou a ter cantores e grupos, porém os mais influentes eram o The Grandmaster Flash and the Furious Five e o Run D.M.C.

A partir daí, o hip hop começou a romper todas as barreiras (físicas e imaginárias) e começou a fazer sucesso, tomou conta das boates em Manhattan. Acontece que do outro lado dos States, o rap também teve seu espaço mas de uma forma diferente, se tornou uma espécie de hino para as gangues de LA e então começou a ser o que conhecemos hoje, um estilo de música cheio de rimas e poesias que tenta retratar a realidade de jovens do gueto. Já sabemos que no Rap o texto é muito mais importante que a linha melódica ou a parte harmônica, né?

Até que então um grupo surgiu e mudou praticamente o cenário da música, com a formação que não tinha ninguém mais e ninguém menos do que o Dr. Dre, Eazy-E e Ice Cube. O NWA (Niggaz Whit Attitudes) explodiu, virou febre nacional e internacional. O Gangsta Rap originado de Compton traz em suas letras criticas à sociedade e a vontade de mostrar ao mundo a injustiça que nos rodeia, e tentar então abrir os olhos de quem não está nem aí para a dura realidade das ruas, mesmo que isso atinja diretamente o ouvinte. Esse estilo influencia o cenário musical até hoje. O Kendrick Lamar mesmo é um exemplo de rapper que ainda se inspira no NWA.

Entãooo, eu contei essa história toda pra chegar aqui, no Brasil. O Gangsta Rap também se faz presente, em menor expressão mas ele existe. Com grandes atores nos anos 90 como o Racionais MCs, MVBill, e o lendário Sabotage, o gangsta rap brasileiro chocava, amedrontava, mas melhor que tudo, ele falava verdades. A questão é que muitos viravam as costas para ver e ouvir. Só que depois de um tempo ficou impossível virar as costas para esses caras -e tudo que eles traziam em seus versos- e não ouvi-los.

É importante ver que esse trabalho tem continuidade e que realmente abriram espaço pra outros movimentos sociais. Então, aqui vai um apelo para que não deixem o rap morrer, NUNCA!