Hoje vamos falar sobre um lugar pertinho do RJ para renovar qualquer energia com direito a muita cachu, forrozin e reggae ao vivo. Escondido entre as montanhas de Macaé, as vibes do Sana são as melhores possíveis e nesse post vou dar várias dicas pra quem ta pensando em fugir da rotina por lá!

Como ir:

Nós fomos de carro e levamos cerca de 3 horas pela BR-101. Pegamos um pouquinho de trânsito, então imagino que dê pra fazer o trajeto em 2 horas e meia. Indo de ônibus você precisa parar em Casimiro de Abreu e de lá pegar uma das vans que fazem o transporte até o Arraial do Sana. A passagem de ônibus custa cerca de 45 reais.


Onde ficar:

Fui em um feriado de maio com duas amigas. Como resolvemos de última hora fomos sem nada reservado mesmo. Elas já tinham ido algumas vezes e recomendaram o Sana Camping. Fomos direto pra lá e o lugar era uma delícia, um rio passava por dentro do camping, tinha cozinha, um espaço com jogos e até wifi. No caso a wifi foi proibida na viagem e ficar um fim de semana offline foi a melhor coisa do mundo. No camping, além do espaço para acampar com barraca eles tem vários trailers e mini ônibus ótimos que acomodam de 2 até 10 pessoas. Pegamos um para três pessoas com banheiro e o valor pelo final de semana foi de 90 reais por pessoa. Já deu pra perceber que ir pro Sana é super em conta né!

 


Cachu, comidinhas e música boa:

Depois que deixamos as malas no camping fomos direto dar um pulo nas cachoeiras. Recentemente para melhor organização e segurança do lugar começaram a cobrar 10 reais para ter acesso ao local das cachoeiras. Por esse valor você tem acesso ao caminho que leva para várias cachoeiras, entre as mais famosas temos a Cachoeira do Escorrega, Cachoeira Pai e Cachoeira Mãe. Elas fecham cedo, as que são mais no alto fecham ás 16hrs e a primeira que é a do Escorrega fecha ás 17hrs. Então pra aproveitar ao máximo é melhor chegar cedo e curtir cada uma no seu tempo. Lembrando que é bom ir bem alimentado, além de levar comida e água, lá não tem nenhum tipo de comércio.
Ah, indo para as cachoeiras, logo depois de uma ponte onde ficam vários hippies vendendo sua arte tem um restaurante que faz o melhor bolinho de aipim do mundo! Eles também servem almoço por 15 reais o prato, super vale a pena. Outra dica mara de comida por lá é o Beco das Massas, literalmente um bequinho de casas com uma placa na entrada que fica no centrinho da cidade. No final dele tem uma “pizzaria” onde um cara super simpático faz sua pizza caseira na hora, muito boa.
A noite no Sana é de muita música boa, todos os dias a gente ficava no centro indo de um bar ao outro pra curtir um forrozin pé de serra e reggae ao vivo. No caminho conhecemos muita gente diferente, talvez meio maluca e de bem com a vida.

Considerações finais e dicas extras:

  • A única operadora que tem sinal no Sana é a Oi, vai preparado pra ficar offline mesmo!
  • Nós fomos de carro e o total da nossa trip deu cerca de R$250 pra cada.
  • Como fica entre montanhas a temperatura esfria de noite, não esquece de levar uma roupa mais quentinha.
  • Super importante levar dinheiro em cash pra não passar perrengue por lá.

Agora que você já tem as dicas necessárias, está esperando o que para pegar a estrada e curtir Sana?