Percebendo o crescimento da mulher no mundo boêmio, resolvi pesquisar e saber mais ou menos quando isso começou, e como que esse relacionamento se deu. O mais incrível foi descobrir que a história da cerveja começou em nossas mãos. Eu, particularmente, odiava o gosto amargo da cerveja, até aprender a saborear os diferentes tipos, procurar saber sobre e estudar a origem de cada tipo de sabor. Não sou uma mestre cervejeira, mas converso com vários homens sobre o assunto e eles ficam com uma cara de “não é que o que essa garota tá falando tem sentido?!”. Não estamos de bobeira nesse mundo, e sim, a cervejinha gelada é nossa! Então, senta que lá vem história!

f9ad4d1d92267a48656d0fa7f8f26654

Na Suméria e na Babilônia, as mulheres cervejeiras, chamadas de Sabtiem, eram consideradas especiais, quase como se tivessem poderes divinos. Para se ter noção da importância da mulher na produção da cerveja, na Alemanha, até o século XVI, os utensílios usados na fabricação faziam parte do enxoval das noivas. Em Mecklembourg, no século XIX, ainda fazia parte da tradição que a recém-casada recitasse: “meu Deus, ajude a cerveja quando eu a produzir, ajude o pão quando eu o amassar”.

A cerveja era produzida junto com os pães, já que eram utilizados praticamente os mesmos ingredientes e e as mulheres que cozinhavam. O afastamento feminino da bebida ocorreu junto com a industrialização e comércio, já que era papel dos homens participarem e se colocarem a frente disso.

Precisamos resgatar isso e mostrar que ALÔ, TAMO AQUI! Fui atrás de mais informações e encontrei um monte de publicidade irada da Budweiser da década de 50/60 por ai, e já quero todas como pôster.

Bom, eu só conhecia e seguia caras que falavam sobre cerveja, e não seguia nenhuma mina, então comecei a fuçar igual a uma louca e eis que TCHARAM: depois de 73.684 abas abertas, apresento um TOP 10 (todas brasileiras) pra vocês seguirem e ver que essas garotas tão fortemente munidas de conhecimento sobre lúpulo, malte, trigo e fermentação. Segue aí e se aventure nos mercados e lojinhas, procurando por uma nova experiencia!

1@mulheres.cervejeiras: todo o conteúdo é enviado por e-mail, com resenhas de novos rótulos, notícias sobre encontros, bares novos, novas marcas e etc.

2@cervejeira.nerd: Suzana Bernardes é a cabeça por trás desse perfil, e sempre posta fotos sobre a cultura cervejeira, reunindo informações sobre eventos, lançamentos, curiosidades, harmonizações, locais e personalidades.

3@mulheresecerveja: partem do pressuposto que as garotas são mais críticas, têm o paladar mais apurado, e uma percepção diferente das coisas. Esperem boas resenhas desse time!

4@meninasnoboteco: espaço de interação e troca de informações entre quem se amarra em experiencias novas, ainda mais em botecos.

5@beer.woman: admiradora de cervejas, que resolveu levar para as redes sociais as informações de uma forma diferente.

6@brewerwoman: um time irado cheio de sommeliers e amantes de cerveja em geral que traz conteúdo e lançou ha pouco tempo uma Pink IPA.

7@mariacevada: Amanda é apaixonada pelas Sours e Saisons, cervejas extremas e envelhecidas.

8@biasommelier: colunista de balcão online, sommelier de cerveja e guia etílica.

9@Lipstickbeer: tenta ser fit tomando cerveja, e consegue!

10@rafadeconti: tá sempre atrás das raras, viaja por aí e bebe todas!

Eai, curtiram?