Como deixar pra lá e não falar sobre o que o carioca respira até mesmo sem querer? Arte de rua, artes plásticas, design gráfico. Se tem a ver com arte visual ou sonora, eu to lá babando e observando.

Fiquei abismada e bem feliz ao perceber a quantidade de pessoas que me rodeia e que está mergulhada nisso. E que – obviamente – vocês PRECISAM conhecer. Então resolvi fazer alguns posts falando um pouco sobre eles.

Conheci o Francisco através do Twitter, e assim  vi a sensibilidade que contém seus desenhos. Ele começou a desenhar aos 8 anos de idade, fascinado em desenhos orientais dos anos 90/2000, e desde então não parou mais, tirando os intervalos que fez por se dedicar à outras coisas, como o skate. A paixão por desenhar prevaleceu, e hoje em dia tem o skate como hobbie, mas não esquece que foi com o esporte que aprendeu a ter disciplina para focar em algo que realmente queria.

francisco1

“Desenho todo dia e toda hora, pra todo canto que eu vou, levo um sketchbook na mochila ou um sketchbook de bolso.”

Hoje em dia se dedica única e exclusivamente às ilustrações e busca sempre expandir suas possibilidades, nas ruas, com intervenções em fotos da cidade, painéis e etc.

“Depois de um tempo fui percebendo que poderia inserir o que faço em muitas outras coisas como, por exemplo, paredes e adesivos, e fazer desse meu pedaço, algo que as pessoas vão acabar vendo sempre pelas ruas.”

Sua inspiração vem de cenas estáticas do cotidiano, de filmes e de artistas da área, tendo como mestres Kim Jung Gi e Jean Michel Basquiat.

“Referente à artistas que me inspiram, busco inspiração em todos aqueles que correm comigo.”

Irado, né?! Segue ele lá no instagram: @fransciscoskt!